pedrados.jpg A mais recente (notícia do momento) comoção nacional é a morte de uma criança de 7 anos no Rio de Janeiro, sendo arrastada por 7 Km, presa ao cinto de segurança, por bandidos que roubaram o carro de sua mãe.

Hoje, todos clamam por justiça, até mesmo num estádio de futebol, que por vezes, serve de anfiteatro romano, onde 22 homens de degladiam e, ao final, a luta continua no lado de fora pelos espectadores que ainda ontem clamavam por justiça, justiça, justiça.

Nos grandes veículos de comoção em massa se tornou destaque. A novela, principal disseminador de pornografia e degradação da humanidade, agiu rapidamente e também demonstrou sua indignação, pondo as freiras para rezar.

Eu não sei…será que o mundo está mudando e amanhã a pornografia e os programas da televisão como novelas e mini-séries não irão mais glamourizar o banditismo? ou será que o João Hélio servirá apenas como o filão da vez?

Não se fala mais no buraco do metrô de São Paulo e nem se aquele senhor traficava ou não, afinal, não importa a população o isentou da culpa de vender as drogas para os nossos filhos. Será que essas mdrogas financiadas pelo fulano de tal, não são as mesmas drogas que estavam na cabeça dos “meninos” do Rio?

Isso me relembra uma passagem em que homens vestidos com capas acusavam uma jovem de ser adúltera e, de acordo com a lei, esta deveria ser punida severamente. Todavia a quem eles peguntaram o que deveriam fazer, em clara afronta misturada com emoção acalorad, disse-lhes que aquele que não tivesse pecado poderia atirar a primeira.

Potencialmente, todos nós somos capazes de matar, estuprar, furtar, roubar, falar mal do próximo, queimar o índio, chutar o mendigo (que não possui nem o direito de ser chamado pela sua condição correta, sendo “mindingo” o mais usado), porém não o fizemos, ainda.

Sabemos apenas o seguinte, aqueles homens com as capas somos todos nós agindo como juízes, separando nossos filhos do mundo, construindo fortalezas em nossa volta, não-ajudando o próxim, vivendo para sí, de sí, e só em sí. Estes somos nós assim como juízes ilibados, coerentes, bons pela própria natureza.

Hoje, todos atiram esta pedra, mas, amanhã quem sabe estarão jogando as mesmas pedras em nós?

Fonte:wagnercruz,oconsultor

Anúncios